A última tendência em tratamento para flacidez, podendo  ser usado em outras áreas do  corpo além do  rosto. Veja nossos protocolos.

A radiofrequência vem sendo utilizada desde 1891, quando seu inventor o fisiologista francês Jaques Arsène D’Arsonval descobriu que freqüência superior a 10.000 Hz no corpo humano era suportável, em 1911. O objetivo da RF foi para uso de corte e cauterização dos tecidos vivo, mas foi em 1976 que entrou para a medicina, no combate das células cancerígenas, utilizando potência mais elevada.

Atualmente a radiofrequência vem sendo utilizada nas práticas da dermatologia estética. Tornou-se um padrão de tratamento estético com muitas indicações, devido à sua versatilidade, eficácia e segurança.

Dentre as indicações mais comuns  estão: melhora da flacidez da pele, redução de rugas, redução da celulite, tratamento de cicatriz de acne e estrias.

A técnica age através da geração de calor no tecido embaixo da pele, que induz a produção de novas fibras de colágeno e melhora o aspecto da pele.

A pele deve ser higienizada com água e sabonete ou óleo de limpeza. Em seguida será aplicado gel de condução com alguns aditivos.  Através dos aplicadores posicionados na pele, são realizados disparos de radiofrequência no local tratado.

O transdutor (ponteira) deve ser movimentado o tempo todo a fim de distribuir bem o calor por toda a pele. Durante o tratamento é medida a temperatura da pele diversas vezes para garantir que ela chegue a 40-42 graus Celsius e não ultrapasse esse nível de temperatura. Ela pode ser realizada em todas as regiões do corpo e face, exceto região da tireoide.

É contra-indicado em peles sensibilizadas, sensíveis ao calor,  portadores de marca -passo cardíaco, neoplasia (proliferação anormal de células) sobre a glândula da tiróide, trombose venosa profunda, dispositivos eletrônicos como bombas de analgesia ou de insulina e febre.

O tratamento não é invasivo e causa efeitos apenas na área de tratamento. O objetivo de cada sessão é elevar a temperatura da pele e do tecido subcutâneo até 39°C a 42°C e mantê-la por um período de 15 minutos. Após o tratamento é retirado o gel.

O envelhecimento cutâneo éum processo fisiológico, cronológico e irreversível e esta relacionado com a idade, a genética e aos hábitos do dia a dia . Ressecamento, rugas, flacidez, pigmentação, lesões proliferativas, a exposição solar,a má alimentação, tabagismo e o estresse, são alguns dos  fatores encontrados.

 

Com o avanço da idade perde-se a elasticidade, colágeno e gordura tecidual, alterações estas que provocam o envelhecimento cutâneo facilitando as rugas, linhas de expressão e flacidez. Ocorre desorganização no metabolismo do colágeno, reduzindo assim, sua produção e aumentando sua degradação.

A  radiofrequência produz efeitos térmicos, que diminui a extensibilidade e aumenta a densidade das fibras colágenas promovendo assim um efeito lifting. Ele aquece o tecido através da corrente elétrica,  que gera a contração imediata do colágeno e remodelação da fibra de colágeno e elastina já existentes. Após o tratamento observa-se o estímulo dos fibroblastos para produção de novo colágeno.

A radiofrequência éum recurso eficaz produzindo efeitos de redução nas rugas faciais e melhora na textura da pele, retardando o envelhecimento e prolongando os resultados de cirurgias plásticas. Usamos protocolos próprios com técnicas detox, para um resultado mais eficaz e usamos produtos com anvisa, que o paciente leva para casa para se cuidar home care.

É importante sempre lembrarmos, de maneira geral, que todo tratamento estético deve ser acompanhado de uma boa nutrição e exercícios físicos. Temos tudo isso em um só lugar, pode ser feito através  parcerias com empresas, e pacotes com descontos.

Venha conferir todos os nossos tratamentos na Physioterapia e Consultórios.

Bibliografia:

  1. http://www.minhavida.com.br;
  2. Revista da Universidade Ibirapuera – São Paulo, v. 7, p. 39-42, jan/jun. -2014;
  3. AGNE, -2014 ; Nery et al., -2014;
  4. GUIRRO, 2004;
  5. WASSERMAN, 2010; AVROM et al., 2010;
  6. BORGES, 2010 ; PINTO et al., 2012;
  7. AGNE, -2014; TONEDERM®, 2011; IBRAMED®,2010 ; NERY et. al., -2014;
  8. WOLLINA, 2011; SILVA, et.al., 2012; BUSNARDO & AZEVEDO, 2012; NERY, et al., -2014.