25 de agosto de 2014
22 de janeiro de 2015
Quem achava que a massagem era coisa de desocupado, agora também é de esportistas, e praticantes de atividades intensa.

Quem treina quer ter uma performance, e corre atras de alimentação, treinos diferentes, e esquece de preparar o  principal os músculos. Veja como  a Physioterapia pode te ajudar.
Além de planos específicos para treinamento, temos os valores que você procura.

Toque de cura de massagem pode ter mais a ver com o DNA do que com boas mãos.  Um novo estudo revelou, pela primeira vez, como a massagem facilita a amassar-músculos doridos e a  desligar os genes associados com a inflamação e ligando os genes que ajudam os músculos  a curar. A descoberta contradiz afirmações populares que a massagem elimina o ácido láctico ou resíduos de produtos para fora de músculos cansados ​​e poderia trazer nova credibilidade médica para a prática.
  Apesar da popularidade da massagem, os pesquisadores sabem muito pouco sobre seus efeitos nos músculos. Estudos anteriores conseguiram mostrar apenas que uma massagem bem administrada pode reduzir a dor, mas ninguém jamais identificada como. A evidência escassa faz muitos médicos não terem certeza, se não totalmente cético, do método.
 Mark Tarnopolsky, pesquisador neurometabólica na Universidade McMaster, em Hamilton, no Canadá, foi um desses médicos, até que sofreu uma lesão muscular grave em um acidente de esqui aquático há 4 anos. Massagem terapêutica era parte de seu regime de reabilitação, e foi tão eficaz em aliviar a sua dor que ele tornou-se determinada a rastrear o mecanismo que o fez sentir tão bem.  “Eu pensei que tem que haver uma base fisiológica para isso”, diz ele.  “E, sendo um cientista celular, meu interesse é na base celular.”
  Então Tarnopolsky e colegas, incluindo o coordenador de sua reabilitação, recrutou 11 jovens dispostos a exercer, em nome da ciência.  Os indivíduos foram submetidos a uma sessão de ciclismo vertical esgotante que deixou seus músculos danificados e doloridos.  Dez minutos após o seu treino, o massagista massageou uma de suas pernas. Enquanto isso, os pesquisadores recolheram amostras de tecido de quadríceps dos músculos voluntários, uma vez antes do treino, outra 10 minutos após a massagem, e outra três horas após o treino, e compararam os perfis genéticos de cada amostra.
Os pesquisadores detectaram mais indicadores de reparação celular e inflamação nas amostras pós-treino do que nas amostras pré-treino.  Isso não surpreendê-los, pois os cientistas sabem que o exercício ativa genes associados com a reparação e inflamação. O que pasma eram as claras diferenças entre as pernas massageadas após o exercício. Os pés massageados tinham mais 30% de PGC-1 alfa, um gene que ajuda as células musculares construir mitocôndrias, os “motores” que transformam alimentos de uma célula em energia.  Elas também tinham três vezes menos NFkB, que se transforma em genes associados com a inflamação.
Os resultados, publicados on-line na Science Translational Medicine, sugerem que massagem suprime a inflamação que acompanha o exercício, promovendo uma cicatrização mais rápida .  “Basicamente, você pode ter seu bolo e comê-lo”, diz Tarnopolsky. Ele acrescenta que o estudo não encontrou nenhuma evidência para apoiar reivindicações muitas vezes repetidas que a massagem elimina o ácido láctico, um subproduto do esforço de longo responsabilizado por dor muscular, ou resíduos de produtos de músculos cansados.
 “Este é provavelmente o melhor estudo que eu vi que olha para a base biológica para a massagem terapêutica”, diz Thomas Best, um médico do esporte na Ohio State University, em Columbus, que tem estudado os efeitos da massagem em animais.  Ele observa que seria uma experiência difícil reproduzir porque não há duas massagens idênticas, mas que ele chama de os resultados “convincentes”, no entanto.
 Tarnopolsky, por exemplo, é um convertido. “Não há dúvida de que estou indo visitar a massagista com mais frequência”, diz ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *